Ver a vida mais colorida é possível

A visão começa a ficar embaçada e as imagens ficam distorcidas, perdendo a nitidez como se uma mancha no centro do olho estivesse atrapalhando, porém, não impedindo de enxergar pela lateral (visão periférica). Essa dificuldade para enxergar pode ser consequência da Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI), que atinge especialmente pessoas com mais de 60 anos e pode levar a um comprometimento acelerado da visão central se não for tratada.

Há dois tipos de DMRI: a Seca (atrófica) e a Úmida (exsudativa). Cerca de 20% dos casos evoluem para a DMRI Úmida. Isto acontece quando pequenos vasos sanguíneos novos e frágeis vazam sobre a mácula, danificando a visão central da retina.

Felizmente, com novas técnicas de tratamento é possível estagnar e até melhorar a visão em 80% dos casos. Trata-se de uma injeção intravítrea denominada Lucentis® (ranibizumabe) – uma injeção aplicada diretamente no olho sob anestesia.

Essa doença ocular acomete cerca de 400.000 de pessoas no mundo inteiro. Se você se identificou com esses sintomas ou conhece alguém que possua, é importante procurar seu médico e realizar uma avaliação.

 

Dr. Luiz Felipe Hagemann é especialista em cirurgia de Retina e Vítreo e membro da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo e da Sociedade Americana de Especialistas em Retina