Diabetes e Doenças Oculares

O Diabetes é uma doença mais comum do que as pessoas imaginam. Só no Brasil, em torno de 7,6% da população, com idade entre 30 e 69 anos, são portadoras de diabetes, sendo que 46% deste universo não sabem que possuem a doença.

Com o passar dos anos o diabetes deixou de ser um “tabu” e passou a ser tratado como uma doença normal, onde os cuidados diários com alimentação, prática de exercícios e a busca da informação são os principais aliados em seu combate.

A visão do portador de diabetes pode ser afetada devido à elevação da glicose no sangue e da pressão arterial, sintomas que podem resultar em sérias patologias. A Retinopatia Diabética é a doença mais frequente entre os diabéticos. Ela se dá devido a uma alteração nos vasos que nutrem o tecido interno do olho responsável pela formação da imagem, denominado retina. As altas taxas de glicose no sangue resultam no fechamento progressivo dos vasos da retina, gerando hemorragias e falta de oxigênio para as células. Quanto mais avançada a retinopatia, maior a destruição da retina, o que pode resultar em uma severa perda visual.

Assim que o diabetes for detectado, o paciente deve procurar um Oftalmologista para realizar o exame de fundo de olho. Este exame identificará a presença, ou não, da Retinopatia Diabética, bem como avaliará seu estágio. Os principais sintomas dessa doença são perda de nitidez e distorção das imagens, no entanto, muitas pessoas possuem a Retinopatia Diabética sem apresentar sintomas. Portanto, fique atento.

O tratamento da Retinopatia Diabética condiz diretamente com o estágio da doença. Nos graus mais iniciais é possível realizar tratamentos a base de laser para cauterizar as regiões danificadas. No entanto, cabe ao paciente controlar a progressão da doença através da preocupação com os níveis de glicemia, dieta balanceada, prática de exercícios e visitas regulares ao Oftalmologista.

O diabetes também pode acarretar em outra patologia bastante conhecida: a catarata. Esta doença se desenvolve em decorrência da opacificação do cristalino do olho (lente natural que permite a passagem da imagem pelo olho até os nervos ópticos e por fim ao cérebro), devido ao aumento progressivo das taxas de glicose no sangue. A catarata pode ser facilmente tratada com uma cirurgia denominada facectomia com implante de lente intraocular com facoemulsificação, onde o cristalino antigo é aspirado e substituído por uma lente artificial, que fará com que o paciente recupere sua visão.

Em estágios mais avançados e não tratados de retinopatia diabética é possível ocorrer descolamento da retina, hemorragia vítrea e glaucoma. Nesses casos mais graves, é possível realizar tratamentos intensivos com fotocoagulação a laser, injeções intraoculares e cirurgias.

dia-mundial-do-diabetes-764x1024

 

Para mais informações: http://www.diamundialdodiabetes.org.br/